CRE firma convênio para migração de processos e comemora os resultados

Por iniciativa do corregedor, desembargador Raimundo Nonato Silva Santos, foi firmada uma parceria inédita entre a Justiça Eleitoral e a 2ª Vara de Execução Penal da Comarca de Fortaleza

Imagem ASCOM. Descrição no texto

A Corregedoria Regional Eleitoral do Ceará (CRE) tem encampado uma série de medidas visando ao auxílio às Zonas Eleitorais no que concerne à migração dos processos físicos para o sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe), de modo que todos os feitos passem a tramitar em meio virtual.

Nessa perspectiva, merece destaque uma das mais bem-sucedidas iniciativas do corregedor, desembargador Raimundo Nonato Silva Santos, que firmou uma parceria inédita entre a Justiça Eleitoral e a 2ª Vara de Execução Penal da Comarca de Fortaleza, disponibilizando bolsistas egressos do Projeto “Justiça de Portas Abertas” e “Um Novo Tempo”, a fim de auxiliar na execução do serviço de particionamento e digitalização de todas as páginas dos processos físicos a serem migrados.

A cooperação entre o Tribunal Regional Eleitoral do Ceará e o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, ocorrida nos termos do Convênio nº 23/2018, permitiu a formação de uma força-tarefa no Fórum Eleitoral de Fortaleza, iniciada em 20 de julho de 2021 e encerrada em 27 de agosto de 2021 – que atuara sob a coordenação geral da Juíza Auxiliar da CRE, Bruna dos Santos Costa Rodrigues.

"Contamos com a ajuda e a colaboração dos juízes das execuções penais de Fortaleza que colaboraram e ingressaram nesse projeto conosco, indicando alguns apenados com boa conduta e bom comportamento para participarem desse processo e a nós incumbiu fazer parte desse grande projeto de socialização o "Tempo de Justiça", da Secretaria de Administração Penitenciária", frisa a magistrada.

A ação eficiência e agilidade na conclusão dos trabalhos de migração nas Zonas Eleitorais de Fortaleza (2ª ZE e 82ª ZE), Maranguape (4ª ZE), Sobral (21ª ZE), Canindé (33ª ZE) e Maracanaú (121ª ZE), onde existiam maiores entraves no volume de processos a serem digitalizados. A equipe contou ainda com a participação da servidora Egline Rodrigues da Rocha e do servidor Diego Feitosa de Oliveira, além do funcionário terceirizado Francisco Glauber Miranda Rodrigues, que envidaram esforços na supervisão das atividades.

A juíza Bruna Rodrigues conclui: "Agradecemos a todos esses apenados, a todos os servidores que juntaram as forças necessárias para que o trabalho fosse concluído em prazo recorde, anterior aquilo esperávamos, e as zonas que tiveram atuação essencial para tanto".

A Corregedoria ressalta a relevância dessa iniciativa, uma vez que, além de ter imprimido economia e celeridade aos trabalhos de migração nas Zonas Eleitorais do Estado, ainda contribuiu na ressocialização de apenados em regime semiaberto, propiciando a essas pessoas a oportunidade de trabalho e aprendizado.

 

Texto e fotos: Corregedoria

 

#PraTodoMundoVer

Banner retangular na horizontal de fundo bege. Na parte superior, ao centro, Corregedoria firma convênio para migração de processos, em letras verdes. Migração de processos está na cor cinza. Do lado direito, as logos do TRE e da CRE. Abaixo, sobre uma tarja cinza, duas fotos lado a lado. Na foto do lado esquerdo, cinco homens e a juíza Bruna Rodrigues estão em pé em uma sala com mesas com divisórias de cor bege e computadores pretos. A juíza está de lado para a foto e está com cabelos presos, usa máscara preta, colares e blusa verde. Na foto do lado direito, quatro homens estão em pé, olham para a foto e seguram arquivos. 

Últimas notícias postadas

Recentes