GT Publicações Acessíveis apresenta resultado de pesquisa para grupos focais

Os resultados servirão de diretriz para a elaboração de manual inclusivo e acessível

Banner - Ascom/TRE-CE. Descrição da imagem no texto da notícia.

Nos dias 23 e 25 de junho, foram realizadas reuniões do Grupo de Trabalho de Publicações Acessíveis do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) com as equipes do Instituto Cearense de Educação de Surdos (ICES) e da Sociedade de Assistência aos Cegos/Instituto Hélio Góes (SAC/IHG). O objetivo dos encontros foi apresentar as respostas coletadas nas pesquisas com os referidos grupos focais. Os resultados da pesquisa com abordagens quantitativa e qualitativa servirão de diretriz para a elaboração do manual que auxiliará servidoras e servidores do Tribunal a realizarem publicações inclusivas e acessíveis, seja na intranet, no portal ou nas mídias sociais.

Foram utilizados formulários do Google, criados em atenção às pessoas com deficiência visual e auditiva, a partir de perguntas elaboradas pelo GT, com sugestões dos(as) integrantes do grupos focais sobre a acessibilidade das plataformas institucionais. 

Encontros

Na abertura dos dois eventos, foram apresentados vídeos acessíveis para os públicos com o intuito de manifestar acolhimento a todas e a todos os presentes. Além da calorosa recepção e da relevante contribuição dos grupos focais, os encontros permitiram a socialização de observações e sugestões de melhorias para os ambientes comunicacionais do TRE-CE por meio de bate-papos entre as equipes do GT Publicações Acessíveis e das instituições. 

Na ocasião, foram repassadas também informações sobre o andamento da contratação, pelo TRE-CE, de serviços de solução de acessibilidade de intérprete de LIBRAS, legenda e audiodescrição. No momento, o processo se encontra em fase de finalização e permitirá um grande avanço na acessibilidade e inclusão nas plataformas digitais do TRE-CE.

Grupo Focal - Pessoas com Deficiência Visual

A pesquisa realizada com a equipe da Sociedade de Assistência aos Cegos/Instituto Hélio Góes (SAC/IHG), por meio de formulário elaborado com 34 perguntas estruturadas (objetivas e subjetivas), contou com a participação de 20 pessoas com e sem deficiência visual e com idades entre 21 e mais de 50 anos. Do total de respondentes, 60% tem baixa visão, 15% não possuem deficiência visual, 15% cegueira total e 10% visão monocular ou veem bem. 

Quanto ao nível de experiência com leitor de tela, 35% das pessoas responderam que não tinha conhecimento sobre leitor de tela, 25% possuem nível básico, 15% nível intermediário e 25% nível avançado. Já em relação às ferramentas assistivas utilizadas pelo grupo, 30% não utilizam nenhuma tecnologia. As demais respostas sinalizaram o uso de leitores de telas, ampliadores de tela, variação de contraste, teclado adaptado, a tecnologia Dosvox e Lupas Eletrônicas do Windows. 

Ao avaliarem o portal do TRE-CE, 50% dos(as) respondentes declararam acessar o ambiente com facilidade. Na análise, foi aferida ainda que 50% conseguiram ativar a exibição de pop-ups, 35% não conseguiram ativar e 15% identificaram que a janela não estava disponível. Quanto à satisfação em relação ao contraste, à ampliação das fontes e à etiquetagem dos elementos, a maioria do grupo sinalizou que estava satisfeita.

Para acessar o portal do Tribunal, a equipe utilizou a ferramenta Rybená, que é uma tecnologia assistiva para traduzir textos do português para libras e voz desenvolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral. Essa ferramenta permite às pessoas com deficiência visual e intelectuais, aos(às) surdos(as), aos(às) idosos(as), aos(às) disléxicos(as) e as outras pessoas com dificuldades na leitura e na compreensão de textos a possibilidade de entendimento dos conteúdos web. 

Algumas sugestões foram apresentadas pelo grupo focal, como a inclusão de mais campanhas em prol de cotas partidárias para pessoas com deficiência, sinalização de informação sobre o final da página, elaboração de manual com passo a passo do site que contenha links de direcionamento do conteúdo, entre outras.

Quanto à avaliação das mídias sociais (Instaram, Facebook, YouTube e Twitter), a equipe, ao analisar as audiodescrições (#PraTodosVerem), opinou pela inserção do recurso na legenda e no texto alternativo. A maioria dos(as) respondentes destacou também que localizaram a audiodescrição com facilidade. Em uma avaliação geral, o grupo focal afirma que, embora satisfeitos com a acessibilidade nas redes sociais, é preciso aprimorar o site. Nesse sentido, foram apontados alguns pontos de melhoria, como a inclusão de recurso para aumentar a fonte.

Sobre as reuniões entre o grupo focal e o GT do TRE-CE, o coordenador de Projetos da Sociedade de Assistência aos Cegos, Paulo Roberto Cândido, afirma: "Eu me senti muito acolhido por todos que conduziram os trabalhos do Núcleo de Acessibilidade do TRE-CE". Ele ainda ressalta: "foi um verdadeiro processo de integração social entre profissionais abnegados do Tribunal e cidadãos com deficiência visual que juntos exercitaram o real conceito de inclusão formando uma parceria luminosa e exemplar para novas ações inclusivas".

Grupo Focal - Pessoas com Deficiência Auditiva

O formulário aplicado a integrantes do Instituto Cearense de Educação de Surdos (ICES) foi elaborado com 12 perguntas estruturadas e respondido por, aproximadamente, 5 pessoas com e sem deficiência auditiva e com idades entre 20 e 50 anos. Das respostas, 40% tem deficiência moderada, 40% não possuem deficiência auditiva e 20% apresentam deficiência em um nível profundo.

Quanto ao conhecimento da Língua Brasileira de Sinais e da Língua Portuguesa, 60% das respostas sinalizaram o domínio dos dois idiomas. Já em relação ao uso de tecnologias assistivas que seriam utilizadas na navegação do portal do Tribunal, 50% pontuaram que utilizam algum tipo de ferramenta, como o ICOM. Na avaliação do portal do TRE-CE, o grupo sinalizou que o site é de fácil compreensão, entretanto há a necessidade de aprimoramento para atender às demandas relacionadas à acessibilidade de surdas e surdos. A tecnologia utilizada pelos(as) respondentes na avaliação do portal foi a Rybená.

Quanto à análise das mídias sociais (Instaram, Facebook, YouTube e Twitter), o grupo observou que é necessária a utilização de janela de Libras com intérpretes e o uso da legendagem.

Sobre a experiência em participar do grupo focal, a coordenadora do ICES, Lílian de Sá Leite, frisou: "Foi um prazer, um privilégio fazer parte do grupo". Lilian destaca "a extrema importância de pensar de fato a acessibilidade e de ofertar para o público surdo um melhor entendimento sobre as mais diversas ações que o Tribunal tem feito e poder assim democratizar as informações para todos os cidadãos tendo ou não alguma necessidade específica". Ela também pontua: "a sensação que eu tenho é de realmente estar contribuindo para uma sociedade mais igualitária".

Reconhecimento

Em julho, serão realizados encontros solenes de encerramento dos trabalhos com os dois grupos focais, em que o TRE-CE manifestará o seu agradecimento à relevante contribuição das equipes na construção de diretrizes para elaboração de manual de publicações acessíveis. Nos eventos, serão entregues os certificados a todas e a todos que participaram das reuniões.

 

 

 #PraTodoMundoVer

Banner retangular de fundo verde. À esquerda, organizados na vertical, prints das telas das reuniões com os dois grupos focais. Na parte superior, print com o grupo da Sociedade de Assistência aos Cegos/Instituto Hélio Góes (SAC/IHG). Na imagem, a maioria das pessoas estão com as câmeras ligadas e sorrindo. Na parte inferior, print com o grupo do Instituto Cearense de Educação de Surdos (ICES). Na imagem, todas e todos olham para câmera enquanto fazem o sinal de I Love You em Libras. Na parte superior direita do banner, logo do TRE-CE; e, na parte inferior, Reunião com Grupos Focais - Pessoas com deficiência Visual e Auditiva, marrom.

 

Últimas notícias postadas

Recentes